Seleção de volei masculino

“Emoção”
 
Por Mateus Cardoso,
 
Quando uma pessoa faz aquilo que tanto ama, seus sentimentos e emoções estão ali. Muitos fazem loucuras em prol do que tanto buscam e outros, ao se depararem com obstáculos, desistem ou perdem a direção.
Ao ler uma reportagem sobre a vitória da seleção brasileira de vôlei masculino sobre os EUA durante a liga mundial de vôlei, um fato chamou a atenção. O jogador Murilo comentou sobre os erros de arbitragem no primeiro set do jogo, que ocasionaram a perda daquele set para os americanos.
O jogador declarou: “o árbitro cometeu dois erros gritantes no primeiro set e isso tirou o nosso foco”. Mais a frente ele ainda disse: “esse tipo de coisa irrita, mas não podemos comprometer nosso jogo por isso. Aprendemos esta lição”.
Na vida, diversas vezes o homem é confrontado com seus sentimentos e emoções, portanto, precisa se preparar para os momentos adversos e de injustiça. O problema é que muitos abrem mão quando percebem que as coisas não saíram da forma como imaginavam que aconteceria.
Existe uma boa notícia: Deus, nesses momentos, pode fortalecer aqueles que pedirem a sua ajuda. Ele sempre estará disposto a levantar aquele que se sente machucado e dar nova esperança. O Brasil manteve o foco no jogo e conquistou a vitória por 3 sets a 1. E para vencer na vida só é preciso fazer uma coisa: entregar a vida a Jesus e confiar que Ele vai te guiar.

Seja grato!

  Como é bom você reconhecer aquilo que Deus faz em sua vida e através de você! Quero agradecer a Deus pelo privilégio que me deu de conhecer esse País. Uma nova cultura, outros costumes, pessoas agradáveis e que amam Brasileiros, e claro, também respiram futebol rsrs.  Que Deus continue abençoando essa nação: Feliz é a nação cujo Deus é o Senhor.

Turquia 2011

Estou escrevendo esta carta às vésperas de mais uma
viagem missionária à Turquia. Com a Graça de Deus o Projeto Turquia está
ganhando corpo e temos grandes expectativas para este ano. Serão quinze dias em
um dos contextos geo-políticos mais difíceis, onde o evangelho tem grandes
dificuldades de penetração e 99,8% da população é muçulmana. Peço aos amados
irmãos que estejam orando por nossa equipe e nossas famílias que  ficam.
Em uma das cidades que iremos, uma igreja turca tem desenvolvido evangelismo através do futebol, eles estão fomentando o relacionamento de turcos convertidos e turcos muçulmanos por meio de uma liga que foi criada em 2009 e semanalmente eles se encontram para jogar e compartilhar do amor de Deus. Nos próximos dias acontecerá o encerramento anual desta liga onde participaremos com nossa equipe de um torneio como forma de incentivar nossos irmãos turcos. Queremos ser instrumentos nas mãos de Deus e ser combustível para incendiar esta nação com o amor do nosso Pai. Deus tem nos abençoado por podermos fazer isto através do futebol. Nós também ministraremos oficinas de futebol além de participarmos das atividades da igrejas e de uma congregação.
Na outra cidade que iremos, vamos trabalhar com os jovens, ministrar estudos, participar nas atividades da igreja (cultos, reuniões de oração e louvor), apoiar aos obreiros brasileiros que estão lá. Iremos trabalhar também com crianças através de trabalho com fantoches, e oficinas de futebol em duas regiões onde está se iniciando dois novos grupos caseiros. Orem para que estes grupos cresçam e muitos venham entregar suas vidas ao Senhor Jesus e que em breve possamos Glorificar nosso Deus com a notícia de que estes grupos se tornaram novas igrejas.
Conto com suas orações. No amor de Cristo.
Fonte: Blog do Ricardo Treumann http://www.vidadoxa.blogspot.com/

Projeto Turquia

1 – Como e quando surgiu a oportunidade?

R: Fui convidado há cerca de 2 meses pelo Ricardo Ximenes (Diretor
executivo dos Atletas de Cristo) e pelo Ricardo Treumann da CCI-Brasil,
agência interdenominacional de missões transculturais.

2 – Qual é o foco do projeto?

R: Fortalecer as comunidades evangélicas Turcas utilizando o futebol, entre outras atividades,
como uma das ferramentas de evangelização, apoiar movimentos de
plantação de igrejas em cidades da Turquia, ministrar clínicas de
futebol, participar de jogos amistosos com jovens muçulmanos, realizar
trabalhos manuais e apoiar a liderança destas comunidades.

3 – Você sabe falar turco? Quem vai te ajudar com a comunicaçãoo e
vivencia no local?
R: Não falo Turco, estou tendo aulas de inglês com a Prof. Elica
Almeida (uma irmã da nossa igreja) e, creio que vai ajudar na comunicação. Acho que não haverá dificuldades porque vou com um
grupo e geralmente tem tradutor.

4 – Quando você viaja e volta?

R: A viagem será no dia 20 de julho e devo ficar na Turquia até o
início de agosto. Após esse projeto, vou partipar de um outro em
Leon-Espanha e aproveito a oportunidade para visitar atletas em outros
países. Meu retorno está previsto para o início de outubro.

5 – Ha outros missionários envolvidos no projeto?

R: Essa será a minha primeira viagem com esse grupo, ainda não
conheço nenhum dos que vão participar mas, provavelmente haverá
outros.

6 – Quais instituições colaboram financeiramente com o projeto?

R: Para esse projeto cada participante precisa levantar seu próprio
sustento por se tratar de um trabalho voluntário. Somente a igreja
Cristo é a Resposta me
apoia financeiramente. Mas, ás vezes, recebo oferta voluntária de
irmãos que conhecem o meu ministério e sou muito grato porque fazem
parte da minha história.

7 – Você já imaginou pregar na turquia anteriormente?

R: Nunca imaginei, mas, essa é uma ordem de Jesus:
Ide por todo o mundo. Quem obedece é feliz rsrs.

8 – Quais são suas expectativas para esta viagem?

R: Espero ver muitas conversões. Sabemos que o futebol é uma paixão
mundial, creio que através do esporte muitos lares poderão ser
transformados, crianças, jovens e adultos conhecerão a verdade e um
dia veremos os frutos porque a palavra não volta fazia.

9 – Quando está em missão, você sente saudade de casa?

R: Com certeza, saudade de casa, dos amigos, da igreja, da comida do
Brasil, mas, foi Deus que me escolheu, eu tenho um chamado, jamais vou me calar. A pior parte Jesus já fez ao morrer por nós na cruz, tudo que fizermos ainda será pouco se comparado ao que Ele fez.

10 – Como os irmãos que sonham em servir em missões podem se preparar para o campo?

R: A melhor maneira é fazer a sua parte onde Deus ti enviar. Nunca
pedi a Deus para fazer o que faço hoje, apenas, criei um hábito de
falar de Jesus para todos ao meu redor. Um dia, o Pr Natalino me chamou e disse que iria me ajudar financeiramente. É Deus que vê o coração e sabe o momento certo. Continue fazendo a sua parte e obedecendo que tudo vai cooperar pro seu bem.

11 – Em que paises, missões ou instituições você já serviu?

R: Sempre que viajo é para participar de eventos esportivos e visitar
atletas independente da modalidade, e geralmente é pela organização
Atletas de Cristo. Fui para a Espanha, França, Portugal, Paraguai e Argentina.

– 031 EM BOCA FECHADA, NÃO ENTRA MOSCA (NEM SAI)

“Dos árbitros prefiro não falar, mas é que tem coisa que…” Esta frase era pronunciada por um famoso presidente de um time de futebol, obviamente depois de um jogo, e também, como desculpa para dizer mil e uma coisas contra a arbitragem.

Desgraçadamente, uma das praticas mais normais é falar mal dos outros; murmurar de amigos e inimigos, mas sempre que não estejam por perto e não possam se defender. No caso do esporte isto é uma pratica gravíssima porque a violência verbal estimula a violência física. Muitas vezes escutamos opiniões de diretores, jogadores, jornalistas, cuja única finalidade é falar mal do adversário e, portanto, aumentar o nível de violência em campo.

Deus diz que a murmuração é diabólica. Mais precisamente, “diabo” significa “murmurador”. Assim, quando falamos mal de outra pessoa somos isto: diabos.

O que sai da nossa boca? A Bíblia diz que não pode sair benção e maldição da mesma fonte. Nossa língua pode causar destruição a outras pessoas! Deus diz que tudo que semeamos vamos colher. Jesus viveu semeando bençãos, nós devemos fazer o mesmo. Se você não tem nada  dizer, fique calado!

Leia Tiago 3 e 4.